Comunidades, fotos, notícias,
vídeos e muito mais
Buscar
Mais Mais »
#Brasil
Hashtag criada por Sorte Web Rádio
Popularidade 26 pontos
Publicações nesta hashtag
Décio Adams, IWA Elite
Esse título eu já conheço desde minha infância, ou seja mais de 50 anos. Quando pensei que havíamos alcançado o futuro, veio um juiz, dito imparcial, junto com uma turma de procuradores e nos lançaram de volta ao fundo do poço. Assim vou ter que viver 200 anos para ver esse tal de futuro chegar, se é que vai chegar algum dia.
Malu Silva
Alguns já visitei, mas tem tantos que quero ver, antes de morrer, é claro!!
E uma coisa que é meu sonho maior, além de conhecer muuuitos lugares do meu lindo BRASIL é ver a AURORA BOREAL...
Beth Muniz Elite
NÃO AO GOLPE CIVIL 2016. PELAS LIBERDADES DEMOCRÁTICAS TÃO ARDUAMENTE CONQUISTADAS - E DAS QUAIS PARTICIPEI - EM MEADOS DOS ANOS 80. DE LUTO E TRISTE COM O CONGRESSO NACIONAL PORCO QUE TEMOS, INDIGNO DE CONTEMPLAR ALGO BÁSICO DE UMA DEMOCRACIA QUE SÃO OS CONCEITO DE "CIDADANIA" E "PÚBLICO".
CONTRA A HIPOCRISIA TRAVESTIDA DE COMBATE À CORRUPÇÃO DAS PARCELAS MAIS CORRUPTAS DESSE PAÍS: ELITES ECONÔMICO FINANCEIRAS QUE BANCAM ECONOMICAMENTE O GOLPE, POLÍTICOS REACIONÁRIOS E CORRUPTOS, SEM O MENOR COMPROMETIMENTO COM O PROGRESSO SOCIAL DO PAÍS, CLASSES MÉDIAS E ELITES ALIENADAS DO PRÓPRIO PROCESSO HISTÓRICO DE SEU PAÍS E MÍDIAS MANTENEDORAS DO STATUS QUO DAS OLIGARQUIAS. A CASA-GRANDE QUER EMPURRAR TODOS DE VOLTO À SENZALA E VENDER O RESTO DE PATRIMÔNIO QUE NOS RESTA AO CAPITAL ESTRANGEIRO. SINTO-ME VIVENDO EM UMA "REPÚBLICA DE BANANAS" LITERALMENTE...VERGONHA DE VIVER NA PORRA DESSE PAÍS POR UM LADO, ORGULHO DE FAZER PARTE DO POVO BRASILEIRO QUE TEM SE MANIFESTADO CONSCIENTEMENTE EM PROL DOS VALORES DEMOCRÁTICOS....
Beth Muniz Elite
O chamado poeta da floresta – é amazonense de Barreirinha e mora à beira do Rio Andirá, a 330 quilômetros de Manaus – também recebeu flores de estudantes que participaram de ocupações em escolas paulistas, no final do ano passado, contra o projeto de "reorganização" do governo estadual. Diante de duas centenas de pessoas que lotaram o auditório da biblioteca, sempre de branco, agradeceu pela noite. "Eu reparto meu canto de amor. Eu me despeço para permanecer com vocês." E recitou mais um pouco: "Mais que viver, o que importa/ é trabalhar a mudança/ (antes que a vida apodreça)/ do que é preciso mudar". Ele ainda subiria ao terraço, para ser recebido com serenata, ao som de Cordas de Aço, de Cartola.

Seu filho Manduka (Alexandre Manuel Thiago de Mello), que morreu em 2004, também foi lembrado na cantoria dos Thiagos, pai e filho, interpretando Linda Vida, dos anos 1970 – letra de Thiago de Mello e melodia de Manduka. "Faz uma poema pra essa música, companheiro?", pediu Manduka ao pai. Era assim que se tratavam, o poeta e o "pássaro-cantor" que se calou aos 52 anos.

Filho de Ricardo Ramos e neto de Graciliano Ramos, o vice-presidente da União Brasileira de Escritores (UBE), Ricardo Ramos Filho disse participar "de forma muito reverente, diante de um dos meus ídolos", referindo-se a Thiago, destacando tanto a beleza do texto como o engajamento político do poeta e citando o poema Fio de Vida: "Muita vez não quis a vida/ A vida foi quem me quis". "Que a vida continue te querendo, sempre", disse Ricardo.
Beth Muniz Elite
A maneira mais simples de entender o que acontece hoje na Justiça brasileira é imaginar um jogo de futebol.

Suponhamos Corinthians x Palmeiras.

Os dois times estão em campo. Só que o juiz é palmeirense. E tem licença para apitar de maneira a favorecer a sua equipe.

Pode marcar pênaltis que não existiram para o Palmeiras. Pode não marcar pênaltis claros para o Corinthians. Pode expulsar sem motivos um jogador do Corinthians. Pode não expulsar um jogador do Palmeiras que cometa uma barbaridade.

Pode, no limite, marcar um gol para o Palmeiras.

O papel do juiz no jogo não é fazer justiça. É, sim, dar legitimidade à injustiça. Todos dirão, depois de cada roubo: “Foi o juiz que decidiu.”

Saiamos do futebol rumo à política.
Beth Muniz Elite
Na escalada do seu despudor, Moro conseguiu vazar para a Globo amiga grampos provavelmente criminosos de conversas entre Lula e Dilma.

Algumas pessoas disseram que sua máscara caiu. Errado. A máscara já caíra muito antes. Moro e sua Lava Jato não estão aí para combater a corrupção, ou se estão disfarçam terrivelmente bem.

Estão aí para destruir Lula, Dilma, o PT, a esquerda – e, sobretudo, a democracia.

Achava-se que o símbolo máximo do juiz para o qual a justiça é uma questão irrelevante fosse Gilmar Mendes, o pupilo de FHC.

Gilmar não se pronuncia quando emite um voto: ele faz um discurso interminável contra o PT. O pior juiz de todos é aquele cuja decisão você sabe com antecedência.
Beth Muniz Elite
Este cara é Gilmar. Você sabe exatamente como ele vai votar: contra o governo, contra Lula, contra Dilma, contra o PT.

Se Lula for julgado por inventar o remédio contra o câncer, Gilmar vai condená-lo depois de uma hora de um blablablá condenatório. Dirá algo assim: “Como a humanidade pode ficar sem o câncer?”

Mas Gilmar acabou superado por Moro como o número 1 dos juízes que você sabe exatamente como vão atuar.

Tais juízes se reproduziram e se espalharam pelos tribunais do país. Um caso exemplar é o juiz que deu a liminar que suspendeu a posse de Lula, o dr. Catta Preta.

Num dia ele foi a um ato pela queda de Dilma e no outro julgou uma causa em cujo centro estava exatamente Dilma.
Beth Muniz Elite
Vamos supor que toda palavra tenha uma vocação primeira. A palavra mudança, por exemplo, nasceu filha da transformação e da troca, e desde pequena servia para descrever o processo de mutação de uma coisa em outra coisa que não deixou de ser, na essência, a mesma coisa –quando a coisa é trocada por outra coisa, não é mudança, é substituição. A palavra justiça, por exemplo, brotou do casamento dos direitos com a igualdade (sim, foi um ménage): servia para tornar igual aquilo que tinha o direito de ser igual mas não estava sendo tratado como tal.

No entanto as palavras cresceram. E, assim como as pessoas, foram sendo contaminadas pelo mundo à sua volta. As palavras, coitadas, não sabem escolher amizade, não sabem dizer não. A liberdade, por exemplo, é dessas palavras que só dizem sim. Não nasceu de ninguém. Nasceu contra tudo: a prisão, a dependência, o poder, o dinheiro –mas não se espante se você vir a liberdade vendendo absorvente, desodorante, cartão de crédito, empréstimo de banco. A publicidade vive disso: dobrar as melhores palavras sem pagar direito de imagem. Assim, você verá as palavras ecologia e esporte juntarem-se numa só para criar o EcoSport –existe algo menos ecológico ou esportivo que um carro? Pobres palavras. Não tem advogados. Não precisam assinar termos de autorização de imagem. Estão aí, na praça, gratuitas.
Beth Muniz Elite
Nem todos aceitam que as palavras sejam sequestradas ao bel prazer do usuário. A política é o campo de guerra onde se disputa a posse das palavras. A "ética", filha do caráter com a moral, transita de um lado para o outro dos conflitos, assim como a Alsácia-Lorena, e não sem guerras sanguinárias. Com um revólver na cabeça, é obrigada a endossar os seres mais amorais e sem caráter. A palavra mudança, que sempre andou com as esquerdas, foi sequestrada pelos setores mais conservadores da sociedade –que fingem querer mudar, quando o que querem é trocar (para que não se mude mais). A Justiça, coitada, foi cooptada por quem atropela direitos e desconhece a igualdade, confundindo-a o tempo todo com seu primo, o justiçamento, filho do preconceito com o ódio.

Já a palavra impeachment, recém nascida, filha da democracia com a mudança, está escondida num porão: emprestaram suas roupas à palavra golpe, que desfila por aí usando seu nome e seus documentos. Enquanto isso, a palavra jornalismo, coitada, agoniza na UTI. As palavras não lutam sozinhas. É preciso lutar por elas.
Beth Muniz Elite
Um pedaço importante da história, mesmo não se tornando PH, sempre nos lembraremos de sua importância.
Este local sempre lembrará todos de que um dia o ser humano escravizou sua própria gente
Wercks dEO
Um pedaço importante da história, mesmo não se tornando PH, sempre nos lembraremos de sua importância.
Este local sempre lembrará todos de que um dia o ser humano escravizou sua própria gente
Beth Muniz Elite
Em 1811, com o incremento do tráfico e o fluxo de outras mercadorias, foram feitas obras de infraestrutura, incluindo o calçamento de pedra de um trecho da Praia do Valongo, que constitui o Sítio Arqueológico do Cais do Valongo.

O local foi desativado como porto de desembarque de escravos em 1831, quando o tráfico transatlântico foi proibido por pressão da Inglaterra – norma solenemente ignorada, que recebeu a denominação irônica de ‘lei para inglês ver’.

Doze anos depois, em 1843, o Cais do Valongo foi reformado para receber a Princesa das Duas Sicílias e Princesa de Bourbon-Anjou, Teresa Cristina, esposa do Imperador Dom Pedro II, recebendo o nome de Cais da Imperatriz.

Com a assinatura da Lei Eusébio de Queirós, em 1850, pôs-se fim verdadeiramente ao tráfico para o Brasil, embora a última remessa conhecida date de 1872 e a escravidão tenha persistido até a Abolição, em 1888.

Em 1911, com as reformas urbanísticas da cidade, o Cais da Imperatriz foi aterrado. No entanto, durante as obras na região, com as escavações realizadas no local em 2011, foram encontrados milhares de objetos como parte de calçados, botões feitos com ossos, colares, amuletos, anéis e pulseiras em piaçava de extrema delicadeza, jogos de búzios e outras peças usadas em rituais religiosos. Entre os achados raros, há uma caixinha de joias, esculpida em antimônio, com desenhos de uma caravela e de figuras geométricas na tampa.
Beth Muniz Elite
São tão gatunos, que se esquecem do próprio rabo. kakakaka
Décio Adams, IWA Elite
Esses delegados, se não tivessem temor aos atos que praticaram em seus perfis do facebook, veiculando comentários relativos às suas atividades como funcionários públicos, de um órgão investigativo, não teriam tido a pressa de remover seus perfis, na esperança de que ninguém mais tome conhecimento desses comentários.
Isso, para dizer pouco, é algo que deveria ficar no foro íntimo de cada um, não fazer parte de seus relacionaentos sociais. O que me parece pelo menos falta de ética.
Beth Muniz Elite
Márcio Adriano Anselmo foi quem, no Facebook, afirmou: “Alguém segura essa anta, por favor”, em uma notícia cujo título era: “Lula compara o PT a Jesus Cristo”

Na reta final do 2º turno, fez comentários em outra notícia, na qual Lula dizia que Aécio não era “homem sério e de respeito”.

Escreveu: “O que é ser homem sério e de respeito? Depende da concepção de cada um. Para Lula realmente Aécio não deve ser”.

O delegado apagou há poucos dias o seu perfil no Facebook.

Maurício Moscardi Grillo, chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários

Erika Mialik Marena, da Delegacia de Repressão a Crimes Financeiros e Desvios de Recursos Públicos do Paraná,

Por isso, perguntamos também à Polícia Federal, via sua assessoria de imprensa:

— Como a sociedade vai confiar numa Polícia Federal que não agiu de forma republicana nessas eleições, mas politicamente em favor do então candidato do PSDB, Aécio Neves, e contra a candidata do PT, Dilma Rousseff, e o ex-presidente Lula?

Do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, quisemos saber, entre outras coisas:

— Quais seriam as medidas punitivas aos envolvidos no caso?

— Como a sociedade vai confiar numa Polícia Federal que não age republicanamente, mas sistemática e politicamente em favor do PSDB e contra o PT?

Nenhum respondeu. Insistimos por telefone.

Questionada de novo, a Polícia Federal disse que não se manifestaria sobre o caso.
Beth Muniz Elite

Amo!
Pepe Mujica! Eis aí um homem de valor, cujas palavras merecem ser tomadas em consideração e postas em prática. Não é nos digladiando entre povos vizinhos e irmãos, que alcançaremos o progresso, prosperidade e paz. A igualdade social (pelo menor desigualdade) será fruto de nossa união e trabalho em conjunto. É preciso esquecer eventuais diferenças e desavenças que aconteceram no passado. Quem vive do passado é museu. Estamos no século XXI e é hora de sermos mais fraternos e menos inimigos.
Beth Muniz Elite
É tudo farofa do mesmo pacote. Pior de tudo que já está rançosa de tão velha.
Décio Adams, IWA Elite
É tudo farofa do mesmo pacote. Pior de tudo que já está rançosa de tão velha.
Beth Muniz Elite
Do Uol:

Dos 65 deputados federais indicados nesta quinta-feira (17) para integrar a comissão que vai apreciar o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, 40 receberam dinheiro de empresas investigadas ou de suas subsidiárias durante a campanha de 2014.

A eleição foi aberta, com chapa única, e teve 433 votos a favor contra um. A comissão tem quatro nomes de deputados investigados na Lava Jato.
Segundo as prestações de contas entregues ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), foram R$ 8,9 milhões doados aos candidatos à Câmara ou a diretórios dos partidos que repassaram a campanha do parlamentar. Em valores atualizados, esse valor chega R$ 10 milhões.

Além dos partidos, também há casos de doações horizontais feitas por outros candidatos. Eles repassam recursos recebidos e identificam a fonte. Foi o caso do deputado federal Alex Manente (PPS-SP), que recebeu uma doação do deputado estadual Orlando Morando (PSDB/SP), que teve a construtora OAS como ‘doador originário’.
Décio Adams, IWA Elite
O PHA é um jornalista inteligente, bem informado e, não se pode negar, extremamente irônico. Não basta apresentar as contestações que faz das ações dos golpistas. Ele ainda usa de sua ironia para espicaçar os oponentes. Gosto de ler seus textos e ver seus vídeos. Ele é ótimo.
Décio Adams, IWA Elite
O pior de tudo é que o Juiz Moro já tem em seu passado ações pouco recomendáveis no caso Banestado, principalmente. Sem contar as sucessivas informações, em princípio sigilosas, sendo vazadas para os órgãos de imprensa, de tendência oposicionista.
Aplicativos instalados